Início>Posts>E-learning, Novidades, Tecnologia>Acabou para você, Flash Player!

Acabou para você, Flash Player!

O apocalipse está chegando! 

Devemos fugir para as montanhas e nos preparar para uma luta contra robôs zumbis de outra galáxia? Não! Mas ainda não descartamos essa possibilidade.

Brincadeiras à parte, estou falando do Flash Apocalypse. A Adobe anunciou há um tempo que um dos seus produtos, o Adobe Flash Player, plugin de reprodução de conteúdo na web, será descontinuado ao final de 2020.

Por isso, companhias que possuem conteúdos de treinamentos corporativos criados a partir dessa ferramenta precisam se adequar para não ficarem para trás na evolução natural da web e dos produtos digitais. 

No post de hoje, vamos explicar o que é o Flash Player, quem será seu substituto e como se preparar com as armas certas para esse tão aguardado apocalipse! 

 

Vamos à leitura ►

 

 

O que é o Flash Player?

Lançado em 1996 pela Macromedia e adquirido pela Adobe em 2005, o Flash Player é uma tecnologia multiplataforma, sendo possível classificá-la como uma máquina virtual capaz de reproduzir conteúdos como vídeos e animações no formato swf (shockwave flash)

Antigamente, era integrado aos principais navegadores por meio de um plugin, e o aplicativo era baixado através do site da Adobe, permitindo a reprodução de todo o conteúdo construído em Flash. Os navegadores Google e Opera traziam o plugin embutido em um sandbox e dispensava a instalação manual. 

Insegurança, instabilidade e lentidão na hora de renderizar alguns conteúdos foram grandes motivações para que a tecnologia precisasse ser descontinuada. 

O início do fim

Em 2017, finalmente a Adobe anunciou que o Adobe Flash Player encontraria seu fim em 2020, já que a companhia deixaria de atualizar e distribuir o aplicativo. A empresa, no entanto, está incentivando que todos os conteúdos em Flash sejam migrados para plataformas mais leves, rápidas e seguras, como o HTML5. 

Como os gigantes receberam essa notícia?

 Desde 2010, a Apple não utiliza mais o Flash Player, que deixou de vir pré-instalado nos macOS. Além disso, seus produtos mobile com iOS nunca suportaram o plugin. Ainda em 2010, Steve Jobs publicou o documento Thoughts on Flash (Pensamentos sobre o Flash, em tradução livre) com suas considerações sobre como o código fechado e, principalmente, a falta de segurança tornaram o uso do plugin um risco para seus usuários.

Sobre o fim do Flash, O Facebook se posicionou dizendo que, em conjunto com outras empresas de tecnologia, estuda uma maneira saudável de fazer a transição dos jogos em sua plataforma e ressalta a evolução da web como ponto positivo da descontinuação.

Já o Google evidenciou a importância do plugin, que, por 20 anos, moldou a forma de as pessoas jogarem, assistirem a vídeos e abrirem aplicações web, contudo ressaltou que o uso do Flash já vinha sendo desfavorecido nos seus navegadores. 

A Microsoft, por sua vez, expressou seu desejo de uma web sem plugins e se manifestou dizendo que o uso do HTLM5, além de ser mais seguro, aumenta a vida útil da bateria dos dispositivos. 

No comunicado da Mozilla, o elogio foi à Adobe por fazer o anúncio da descontinuação com antecedência, permitindo tempo hábil para as companhias e seus usuários se adaptarem. 

Quem é o HTML5 e por que ele é uma alternativa ao Flash

HTML é a abreviação de Hypertext Markup Language, ou seja, Linguagem de Marcação de Hipertexto: uma linguagem da computação usada para a publicação de conteúdo na web, seja ele de áudio, vídeo, texto ou imagem. Desde a sua criação, em 1991, o HTML vem sendo melhorado e atualizado, sendo o HTML5 é sua mais recente atualização. 

Essa linguagem é baseada no conceito de hipertexto (conjunto de elementos que, quando conectados, formam uma grande rede de informação), e o principal objetivo do HTML5 é facilitar a manipulação desses elementos.

Pensando nessa adequação, o aplicativo Adobe Animate também exporta arquivos compatíveis com HTML5. 

Mas o que isso tem a ver com meus treinamentos corporativos?

Muitas empresas ainda possuem treinamentos total ou parcialmente publicados em Flash, muitas vezes em razão de terem ficado presas a navegadores como o Internet Explorer para acessar aplicativos internos em seus produtos e-learning.

Alguns LMSs corporativos  possuem grande parte de seus catálogos de conteúdos ainda dependente do Flash

Pensando na escala de uso do Flash em treinamentos corporativos, a migração para uma plataforma atualizada pode ser dolorosa e se estender por meses. Por isso, a descontinuação do plugin foi chamada de Flash Apocalypse pela Catalyst, empresa neozelandesa especializada em tecnologias abertas.

Sobrevivendo ao Flash Apocalypse

Em Dezembro de 2018, a Catalyst desenvolveu e liberou um plugin de código aberto do Flash Player que serve como um diagnóstico da sua plataforma LMS. Ou seja, esse plugin traz um relatório de todos os conteúdos dependentes do Flash

Algumas dicas para esse processo

  • Atente-se aos conteúdos realmente necessários
    Pratique o desapego de conteúdos que não tenham mais relevância na sua estratégia de Educação Corporativa. Foque em migrar, ou tornar independente do Flash Player, aqueles conteúdos e treinamentos vitais para companhia. Lembre-se: alguns cursos ainda podem ter alunos! Tome cuidado para não descontinuar cursos importantes.

  • Converse com a TI
    Entenda, com o setor de TI, quais são os planos da sua companhia para o Flash Player em 2020 e fique atento às necessidades da área de Educação Corporativa ou do seu treinamento em específico.
  • Conte com um fornecedor parceiro
    Essa é uma discussão que envolve muitas nuances e peculiaridades de cada empresa. A ajuda de um especialista em Educação Corporativa, juntamente com um programador com experiência nesse mercado, pode reduzir significativamente os ruídos, retrabalhos e erros que essa transição pode acarretar.

Aqui na Target, quando firmamos um compromisso com nossos clientes, colocamo-nos à disposição para prestar um serviço consultivo sem “surpresas” no final. Tomamos como nossos os objetivos estratégicos que traçamos juntos no início do projeto.

Não estar preparado para a morte do Flash pode custar caro. 

Prepare-se conosco para o Flash Apocalypse! Converse com um de nossos especialistas.


2020-03-13T11:27:23-03:00fevereiro 19th, 2020|E-learning, Novidades, Tecnologia|0 Comentários

Deixar um comentário

Ir ao Topo